- Publicidade -

A psiquiatra Christiane Ribeiro desvenda a ligação entre hormônios femininos e a saúde mental: Descubra dicas de como lidar com esse desafio!

0

Os hormônios femininos são como um passeio numa montanha-russa, cheio de altos e baixos. Eles oscilam ao longo da vida da mulher, desde o período pré-menstrual até o fim da menstruação, passando pelas fases de gestação, pós-parto, TPM e também pelo climatério, que inclui a perimenopausa, menopausa e pós-menopausa. As mudanças são mais intensas naquelas mulheres com maior predisposição genética.

- Publicidade -

De acordo com Christiane Ribeiro, psiquiatra e Mestre em Medicina Molecular pela UFMG, durante a puberdade a mulher começa a sentir alterações no comportamento, passando por desregulação emocional e mostrando-se mais sensível. Da mesma forma, na gestação e na perimenopausa, há mudanças significativas no cérebro, o que pode levar a um aumento de sintomas psiquiátricos como a depressão, a ansiedade e a insônia.

Hormônios
Foto: Reprodução Kira by intimus

Leia mais:

Adolescente vítima de bullying e homofobia abre fogo em escola, mata uma e fere dois

- Publicidade -

Ataque em escola desperta alerta: Lula condena fácil acesso de jovens a armas

Hormônios e a saúde mental das mulheres

Embora não haja uma relação direta entre alterações hormonais e transtornos mentais, a realidade é que esses problemas podem surgir como resultado destas mudanças hormonais, frequentemente intensificando os sintomas existentes. As questões se tornam mais evidentes durante o climatério, quando os níveis de estrogênio e progesterona, dois hormônios fundamentais para o organismo feminino, começam a diminuir acentuadamente.

A falta de estrogênio no sistema nervoso central pode levar a alterações nos neurotransmissores, desencadeando mudanças de humor, problemas de sono, redução da libido, doenças ósseas e cardiovasculares. Já a redução dos níveis de progesterona pode aumentar a ansiedade nas mulheres.

Todas essas alterações hormonais podem intensificar quadros de ansiedade e depressão em mulheres que já têm um histórico de transtornos psicológicos, especialmente durante o climatério. De acordo com a Dra. Christiane Ribeiro, “É importante investigar o período de vida em que a mulher se encontra, como foi a gestação, se ela tiver engravidado, para entender se ela tem uma sensibilidade hormonal importante. Sabemos que existe uma associação”.

- Publicidade -

Recomendações Psiquiátricas para Mulheres no Climatério

Os sintomas relacionados ao estresse, ansiedade, alterações de humor e depressão podem ser menos intensos e tratados com terapia de reposição hormonal (TRH) nas mulheres que não têm histórico anterior dessas condições. No entanto, nem todas as mulheres podem fazer essa terapia. Nestes casos, podem ser usados antidepressivos, especialmente inibidores seletivos, tanto para tratar a saúde mental quanto os sintomas do climatério, como os fogachos.

“Muitas mulheres têm dificuldade de se abrir e admitir que não estão bem, que precisam de ajuda”, destaca a psiquiatra. “Era comum, e ainda é, que as mulheres não falassem sobre a TPM, por exemplo, devido ao estigma associado. É importante ter esta conversa”.

Quem pode fazer a Reposição Hormonal?

A terapia de reposição hormonal (TRH) é um tratamento que visa equilibrar os níveis hormonais em mulheres no climatério. No entanto, a decisão sobre a realização da TRH deve ser tomada em conjunto com um profissional de saúde, considerando cada caso de forma individualizada, levando em conta o histórico médico da mulher, os riscos e benefícios do tratamento.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia mais

Horóscopo Do Dinheiro: 5 Signos Que Terão Muita Grana Este Ano BioBoost: A IA do LinkedIn que Potencializa sua Presença nas Redes Sociais Tiktok: Plataforma é banida em mais um país no meio político Chamas da Vingança se Espalham: A Saga de Denzel Washington Continua na Série Original da Netflix Adeus ao Bosque dos Cem Acres: Por que o Novo Filme do Ursinho Pooh está Sendo Retirado das Telonas