- Publicidade -

Descoberta no Egito: Jarras de vinho de 5 mil Anos desvendam segredos da Rainha Merneith

0

Descoberta insólita: Achado arqueológico egípcio revela jarras de vinho com 5 mil anos

- Publicidade -

Uma ocorrência surpreendente sacudiu o mundo da arqueologia em outubro deste ano. A cidade de Abidos, no Egito, foi cenário de uma descoberta impressionante na tumba da rainha Merneith: jarras de vinho que datam de quase 5 mil anos atrás.

Um grupo internacional de profissionais liderados pela arqueóloga austríaca Christiana Köhler, da Universidade de Viena, desenterrou centenas destas peças durante as escavações. Os artefatos, surpreendentemente, ainda possuíam vinho em seu interior, abrindo um intrigante e raro vislumbre sobre nosso passado.

Merneith
Foto: Reprodução Revista Galileu

Leia mais:

- Publicidade -

Adolescente vítima de bullying e homofobia abre fogo em escola, mata uma e fere dois

Ataque em escola desperta alerta: Lula condena fácil acesso de jovens a armas

O que essas antiquíssimas jarras de vinho nos contam?

Estima-se que estas jarras remontem ao período entre 3050 a.C. e 3000 a.C., coincidindo com o tempo de reinado da rainha Merneith. Além do vinho, foram descobertas também sementes de uva excepcionalmente bem preservadas, cuja existência é de um valor extraordinário.

Essas sementes, aliás, podem fornecer aos estudiosos pistas valiosas a respeito da produção, do comércio e do consumo de vinho no Mediterrâneo e no Norte da África durante a idade antiga. Estudando os resíduos encontrados nas jarras, é possível descobrir detalhes acerca da composição química do vinho, como seu perfil de sabor e possíveis ingredientes ou aditivos usados à época.

- Publicidade -

O que a descoberta revela sobre a rainha Merneith?

Para o professor Emlyn Dodd, da Universidade de Londres, essa análise pode nos oferecer informações sobre a experiência de degustação do vinho da rainha Merneith e os métodos de produção utilizados naquela época.

Essa descoberta acrescenta ainda mais mistério à enigmática figura da rainha Merneith, conhecida como a primeira mulher faraó, antes mesmo de Hatshepsut. A tumba de Merneith, situada numa área conhecida como o cemitério dos faraós masculinos do início do período dinástico, e as inscrições referentes ao seu trabalho indicam que ela detinha uma posição de destaque no governo central, responsável pelo tesouro real.

Como a descoberta afeta a compreensão dos nossos rituais funerários ancestrais?

Foram encontradas 41 tumbas adicionais ao redor do túmulo principal de Merneith, supostamente de conselheiros e servos sepultados ao lado da rainha em reconhecimento pelos serviços que prestaram, lançam uma nova luz sobre os rituais fúnebres daquele tempo. Anteriormente, imaginava-se que essas pessoas eram sacrificadas para acompanhar a rainha após a morte.

No entanto, a construção gradual do complexo que incluía argila, tijolos e madeira sugere que não foram vítimas de rituais de sacrifício. Essa descoberta reveladora às margens do rio Nilo nos traz uma perspectiva única sobre a história da rainha Merneith e contribui para uma compreensão mais profunda da produção e consumo de vinho na antiguidade.

Essa descoberta arqueológica trouxe uma visão única sobre a história da rainha Merneith e proporcionou uma compreensão mais profunda da produção e consumo de vinho na antiguidade.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia mais

Horóscopo Do Dinheiro: 5 Signos Que Terão Muita Grana Este Ano BioBoost: A IA do LinkedIn que Potencializa sua Presença nas Redes Sociais Tiktok: Plataforma é banida em mais um país no meio político Chamas da Vingança se Espalham: A Saga de Denzel Washington Continua na Série Original da Netflix Adeus ao Bosque dos Cem Acres: Por que o Novo Filme do Ursinho Pooh está Sendo Retirado das Telonas