- Publicidade -

Escândalo de vazamento de informações sigilosas por estagiários abala judiciário do Rio Grande do Sul

0

Vazamento de informações: O escândalo que envolve estagiários, polícia e bandidos no Rio Grande do Sul

- Publicidade -

A segurança do sigilo legal e investigativo tem sido abalada por um escândalo de vazamento de informações no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. A denúncia revela uma rede de estagiários envolvidos no vazamento de dados de investigações sigilosas para organizações criminosas. Diz a Delegada da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, Fernanda Amorim, que os infratores recebiam informações detalhadas sobre execução de mandados e alvos.

Aquilo que poderia se tratar de um caso isolado, revela-se, contudo, um esquema robusto cujo preço de informação variava com o grau hierárquico dos criminosos na organização. Estes agrupamentos atuam de maneira estruturada e metodológica, semelhante a corporações legais.

Foto: Reprodução GZH

Leia mais:

- Publicidade -

Adolescente vítima de bullying e homofobia abre fogo em escola, mata uma e fere dois

Ataque em escola desperta alerta: Lula condena fácil acesso de jovens a armas

Como funciona o vazamento de informações?

Para exemplificar a gravidade da situação, a Delegada Amorim cita o caso de uma facção criminosa que atua no tráfico de drogas em um condomínio em Porto Alegre. Graças a informações vazadas, os criminosos conseguiram retirar evidências do local antes da chegada da polícia. Em casos mais graves, a polícia chegou a preparar uma mega operação, mas antes que fosse executada, foi avisada sobre a ação por uma estagiária do Tribunal de Justiça, que forneceu detalhes para a quadrilha.

Até onde vai o vazamento?

- Publicidade -

Outro exemplo ocorreu em Santa Maria, no interior do Rio Grande do Sul, onde policiais não conseguiram prender um gerente do tráfico de drogas porque as casas investigadas estavam vazias. A informação sobre o mandado de busca contra o traficante teria sido vazada com a senha de uma servidora do Fórum de São Gabriel, cidade a 162 quilômetros de Santa Maria. A ordem de prisão foi acessada pela advogada de um dos suspeitos.

Qual o tamanho do escândalo do vazamento?

O escândalo atingiu tal dimensão que foram identificadas cerca de 500 senhas de ex-estagiários que ainda estavam ativas. Atualmente, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul conta com aproximadamente 4.400 estagiários, 8.500 servidores e 1.000 magistrados. Dentre estes, 14 estagiários foram afastados e estão sendo investigados pela utilização indevida das senhas de outros sete servidores.

Os envolvidos podem responder por violação de sigilo funcional e associação criminosa. A pena total pode chegar a sete anos. Essa situação alerta para a urgência de medidas de segurança mais rígidas no que diz respeito ao sistema judiciário. “Todas as senhas foram trocadas, desde os magistrados a estagiários. orientando os servidores a não repassarem senhas, magistrados, não repassarem senha. Ninguém. Senha é uma informação pessoal do indivíduo, então não pode repassar”, frisa o desembargador Vincius.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia mais

Horóscopo Do Dinheiro: 5 Signos Que Terão Muita Grana Este Ano BioBoost: A IA do LinkedIn que Potencializa sua Presença nas Redes Sociais Tiktok: Plataforma é banida em mais um país no meio político Chamas da Vingança se Espalham: A Saga de Denzel Washington Continua na Série Original da Netflix Adeus ao Bosque dos Cem Acres: Por que o Novo Filme do Ursinho Pooh está Sendo Retirado das Telonas