- Publicidade -

Surpresa nas investigações: Fraude em CNH leva à descoberta de ligação com invasão ao Planalto!

0

Uma investigação conduzida pela Polícia Civil de São Paulo em relação a um alegado esquema de fraude de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) tomou um rumo surpreendente.

- Publicidade -

Após a apreensão do celular de uma das suspeitas, Jussara Sakamoto, a polícia descobriu vídeos e áudios que apontam para sua participação na invasão ao Palácio do Planalto, ocorrida no dia 8 de janeiro, em Brasília.

Leia mais:

Armadilhas Digitais: Como os golpistas se aproveitam das novas tecnologias para enganar você

Morte na prova de CNH: Motorista atropela pedestre após confusão com pedais

- Publicidade -

Fraude de CNH revela ligação inesperada com invasão ao Planalto

Jussara Sakamoto, residente em Presidente Prudente (SP), foi apontada como suspeita de defender a “invasão do Congresso” e de incitar ação prejudicial ao planejar “queimar a ratoeira”, de acordo com as mensagens recuperadas pela Polícia Civil.

Essa descoberta peculiar levou o caso a ser remetido ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A defesa de Sakamoto afirma a inocência da suspeita e argumenta que o mandado de busca foi emitido de forma ilegal, expondo informações pessoais e íntimas da investigada.

Sakamoto foi registrada tirando fotos dentro do Palácio do Planalto, usando uma máscara PFF2, porém ela deixou o local sem ser detida.

- Publicidade -

Previamente, ela gravou um vídeo na rampa do Congresso, proferindo: “Estamos aqui e esta nação é nossa! A guerra está apenas começando! Vamos acender a ratoeira”, conforme transcrição fornecida pela Polícia Civil.

A Polícia Civil de São Paulo também identificou várias mensagens em seu celular, datadas dos dias anteriores a 8 de janeiro, em que Sakamoto estava coordenando ônibus para uma viagem a Brasília. Em um áudio, ela mencionou: “Nós estamos indo invadir Brasília, amiga.

Nós vamos invadir o Congresso. Estamos partindo daqui hoje às 11 da noite, com muita gente.”

No celular da suspeita também havia uma foto tirada em um acampamento, em frente a uma faixa que dizia “Socorro Forças Armadas” e “Salve o poder judiciário com a dissolução da atual composição”.

Em uma mensagem enviada ao filho, dias após os acontecimentos, ela lamentou ter sido reconhecida em uma foto e mencionou que seu vídeo estaria na “mesa do Xandão”, fazendo referência ao ministro Alexandre de Moraes, encarregado das investigações relacionadas a 8 de janeiro.

CNH vencida ; carteira de motorista
Fonte: AutoPapo.

O caso teve origem em junho do ano anterior, quando foi registrado um boletim de ocorrência referente à aquisição de uma CNH falsa. A polícia solicitou um mandado de busca e apreensão contra Jussara e outro indivíduo, sob a suspeita de usarem um escritório de advocacia para perpetrar o esquema de falsificação.

Entretanto, a investigação sofreu atrasos, e o pedido, feito em outubro do ano anterior, só foi aprovado pela Justiça em janeiro deste ano. Quando o celular foi confiscado, este continha dezenas de mensagens, áudios e vídeos indicando que Jussara havia mobilizado pessoas para irem a Brasília e que ela estava presente no 8 de janeiro.

A revelação levou o caso a ser encaminhado inicialmente para a Justiça Federal. O Ministério Público Federal (MPF), porém, defendeu que o caso fosse encaminhado ao STF, onde já tramitavam outras investigações relacionadas aos mesmos acontecimentos, e essa sugestão foi aceita.

O MPF afirmou suspeitas de crimes como abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado e incitação ao crime.

Em resposta, o advogado de Sakamoto, Mauro Cesar Martins de Souza, anunciou que apresentará seus argumentos nos autos, enfatizando a inocência da suspeita. Ele salientou que Sakamoto está pronta para fornecer quaisquer esclarecimentos necessários ao Poder Judiciário.

Além disso, ele criticou a exposição do material apreendido, que gerou “danos irreparáveis” à imagem de sua cliente.

O advogado também ressaltou a importância de não tirar conclusões precipitadas, reforçando o respeito ao processo legal e à presunção de inocência aplicável a todos os envolvidos em investigações judiciais.

A defesa defendeu que Sakamoto estava em Brasília para exercer pacificamente seu direito constitucional de reunião e negou que ela tivesse participado da fraude de CNH, afirmando que ela também foi vítima do esquema.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia mais

Horóscopo Do Dinheiro: 5 Signos Que Terão Muita Grana Este Ano BioBoost: A IA do LinkedIn que Potencializa sua Presença nas Redes Sociais Tiktok: Plataforma é banida em mais um país no meio político Chamas da Vingança se Espalham: A Saga de Denzel Washington Continua na Série Original da Netflix Adeus ao Bosque dos Cem Acres: Por que o Novo Filme do Ursinho Pooh está Sendo Retirado das Telonas