- Publicidade -

Número de mortes por infarto aumenta entre mulheres no Brasil

0

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia, o Brasil teve um aumento de 62% na quantidade de mortes de mulheres de 15 a 49 anos por infarto. Já em mulheres de 50 a 69 anos, o número quase triplicou, aumentando cerca de 176%.

- Publicidade -

O infarto, também conhecido como ataque cardíaco, ocorre quando há uma interrupção do fluxo sanguíneo para uma parte do músculo cardíaco devido à deficiência de uma ou mais artérias coronárias. Saiba mais!

Leia mais:

Saiba mais sobre o MMS, substância corrosiva que seria suposta “cura” para câncer e autismo

Tick-Tock do Coração: Cientistas desenvolvem ‘relógio de pulso’ que prevê risco de infarto

- Publicidade -

Infarto atinge mulheres jovens no Brasil

Gláucia Maria Moraes de Oliveira, médica do Departamento de Cardiologia da Mulher da SBC, afirmou que o sedentarismo, estresse, entre outros fatores de risco potencializam o risco da doença em mulheres.

Ainda segundo Gláucia, a falta de conhecimento sobre os sintomas leva as mulheres a procurarem um médico de forma tardia.

Os sintomas de um infarto podem variar, mas os mais comuns incluem dor no peito intensa e prolongada, sensação de aperto ou pressão no peito, falta de ar, sudorese, náuseas, vômitos, tontura e desmaio.

No entanto, é importante destacar que nem todas as pessoas apresentam os mesmos sintomas. Isso porque enquanto a maioria dos homens sentem dor intensa no peito, as mulheres podem sentir apenas cansaço ou sinais semelhantes a uma crise de ansiedade.

- Publicidade -

Gláucia afirma também que muitos médicos não conseguem identificar corretamente o infarto nas mulheres.

Geralmente, as pessoas chegam no pronto-socorro com obstrução coronária. Só que existem muitas mulheres que têm um tipo diferente de enfarto, que a gente chama de ‘minoca’, em que há uma disfunção arterial igual a de um homem, mas sem a existência de uma placa aterosclerótica (placa de gordura que obstrui o vaso sanguíneo), disse Gláucia.

O diagnóstico de um infarto é realizado por meio de exames médicos, como eletrocardiograma (ECG), exames de sangue para verificar a presença de enzimas cardíacas e exames de imagem, como a angiografia coronariana.

Já o tratamento do infarto geralmente envolve a restauração do fluxo sanguíneo para o coração o mais rápido possível por meio de medicamentos ou cirurgia.

Grupos de risco para infarto

Existem alguns grupos de risco que têm maior probabilidade de desenvolver um infarto. São eles:

  • Diabéticos;
  • Grávidas;
  • Hipertensos;
  • Mulheres na menopausa;
  • Obesos;
  • Pessoas com histórico familiar de enfarto ou problema do coração;
  • Pessoas que fazem uso de hormônios;
  • Pessoas com estresse, ansiedade e depressão;
  • Tabagistas.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia mais

Horóscopo Do Dinheiro: 5 Signos Que Terão Muita Grana Este Ano BioBoost: A IA do LinkedIn que Potencializa sua Presença nas Redes Sociais Tiktok: Plataforma é banida em mais um país no meio político Chamas da Vingança se Espalham: A Saga de Denzel Washington Continua na Série Original da Netflix Adeus ao Bosque dos Cem Acres: Por que o Novo Filme do Ursinho Pooh está Sendo Retirado das Telonas