- Publicidade -

Demência: nutricionistas alertam quais alimentos são aliados a perda de memória

0

Alimentos e bebidas contendo muito açúcar são os “principais culpados” da perda de memória, bem como alerta o nutricionista Rory Batt. Uma pesquisa da Alzheimer’s Research UK ainda aponta como reduzir o risco de demência. Entenda:

- Publicidade -

A demência é uma síndrome que pode parecer inevitável, entretanto, uma pesquisa aponta que a depender das decisões de seu estilo de vida, o ser humano tende a colher resultados negativos. Ao beber refrigerantes e ao ingerir outros alimentos açucarados, o nutricionista alerta que estes itens são as principais causas da perda de memória.

Talvez você também goste de ler:

Conheça as causas do refluxo gastroesofágico e como prevenir a doença!

Pesquisa comprova que os cães sabem identificar o estresse humano pelo odor; entenda

- Publicidade -

Batt afirma que um dos mecanismos da demência é, na verdade, um metabolismo alterado do açúcar no cérebro:

“Assim como na diabetes, onde as células podem se tornar resistentes às ações da insulina, o cérebro também pode fazer o mesmo.”

Doenças como o Alzheimer há foram algumas vezes chamadas de “diabetes tipo 3” e o nutricionista explica que isso se deve à resistência à insulina, que “ocorre dentro do cérebro que altera seu metabolismo e, portanto, a maneira como processa a memória”

A pesquisa, que exibe que a ingestão de bebidas açucaradas relaciona-se a um risco aumentado da doença de Alzheimer, foi apresentada na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer. Não importa como se deu a ingestão do açúcar, através de bolos, doces ou refrigerantes, os que mais consumiram alimentos açucarados tiveram o maior risco de desenvolver a doença.

O diretor de política e pesquisa da entidade filantrópica Alzheimer’s Society, Doug Brown, afirmou que a demência é responsável pelas maiores mortes do século 21, pois a cada três minutos, uma pessoa desenvolve a doença de Alzheimer.

- Publicidade -

A pesquisa ainda identificou que muito açúcar está ligado ao diabetes tipo 2, sendo um fator de risco para a demência. O estudo põe em evidência que o excesso de açúcar pode aumentar o risco de desenvolver o Alzheimer, além de que todos os tipos de açúcar têm o mesmo impacto, desde sucos feitos de frutas até a bebida limonada.

Batt atestou que o açúcar é extremamente inflamatório e pode provocar neuroinflamação (inflamação do cérebro): “Ter células imunes hiperativas no cérebro devido à inflamação pode interferir na sinalização adequada e causar alguns distúrbios no processamento cognitivo, incluindo a deficiência da memória”.

Com a redução do consumo de bolos, doces e refrigerantes, além de comer com uma dieta equilibrada e equilibrada, “seremos capazes de reduzir nosso risco de desenvolver demência mais tarde na vida”, bem como acrescenta o nutricionista.

Em uma conversa com o Express.co.uk em Agosto, a doutora Sara Imarisio falou sobre o problema de causa e efeito:

“A explicação de Batt expõe que é difícil separar o impacto de decisões alimentares específicas de outros fatores que podem afetar o risco de demência.”.

Sara é chefe de pesquisa da Alzheimer’s Research UK e afirma que ainda não se sabe o quanto a escolha de qualquer bebida pode afetar o desenvolvimento de doenças, como a de Alzheimer por exemplo.

Imarisio explica que sucos, refrigerantes e a adição de quantidades excessivas de açúcar a bebidas quentes também foram associados a um risco aumentado de demência em alguns estudos, devido ao efeito que o açúcar tem no aumento da probabilidade de desenvolver diabetes tipo 2 e doenças cardíacas.

Qualquer atenção e cuidado com nosso corpo e também com nosso sistema imunológico se faz um ato proveitoso, pois, a cada mudança de hábitos alimentares, proporcionamos pontos positivos ao nosso bem maior, o próprio corpo.

Um quadro da Alzheimer’s Research UK mostra alguns hábitos que nos ajudam a reduzir o risco da demência, entre eles estão:

  • A prática de exercícios físicos diários através de atividades aeróbicas, como andar de bicicleta ou caminhada;
  • Realizar uma dieta balanceada de frutas, verduras, fibras e proteínas;
  • Ter/estar com um peso saudável de acordo com o parâmetro mundial;
  • Fazer pouco consumo do álcool, mantendo um número de ingestão menor que 14 doses por semana;
  • Controlar o nível de glicose, especialmente em caso de diabetes;
  • Reduzir o nível de colesterol no sangue;
  • Parar de fumar;
  • Controlar nível de pressão no sangue.
Demência

Ademais, Batt também propõe que devemos evitar o consumo exagerado de alimentos fritos, como batatas fritas, batatas fritas e assados ​​com óleos vegetais (colza (canola), soja, girassol e milho), pois contêm muitos ácidos graxos Ômega-6, que são inflamatórios. Entretanto, ele alerta que apenas quando consumidos na ausência de seus equivalentes Ômega-3.

Quando há muito Ômega-6 na dieta em detrimento ao Ômega-3, esta condição pode alterar o revestimento estrutural das células no cérebro e ainda pode causar alterações na forma como ele se comunica.

“Quando óleos ricos em Ômega-6 são utilizados ​​em frituras, eles sofrem peroxidação, uma mudança química que os torna muito inflamatórios e prejudiciais às células.”, afirma o nutricionista.

Desta forma, as células danificadas não conseguem se comunicar proporcionando a alterações na sinalização neuroquímica envolvida na memória.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia mais

Horóscopo Do Dinheiro: 5 Signos Que Terão Muita Grana Este Ano BioBoost: A IA do LinkedIn que Potencializa sua Presença nas Redes Sociais Tiktok: Plataforma é banida em mais um país no meio político Chamas da Vingança se Espalham: A Saga de Denzel Washington Continua na Série Original da Netflix Adeus ao Bosque dos Cem Acres: Por que o Novo Filme do Ursinho Pooh está Sendo Retirado das Telonas